Notícias

17/02/2019Manhã de Formação com o tema Evangelii Gaudium

A Exortação Apostólica, "Evangelii Gaudium" 

         
- A Alegria do Evangelho, foi o tema enfocado em uma manhã de formação, que contou com a participação de 129  integrantes da Paróquia. 
Conduzida pelo Vigário Geral da Arquidiocese,  Padre Paulo Henrique, foi exposto o pensamento do Papa Francisco, sobre o anúncio do Evangelho no Mundo Atual. Didático e conciso, o palestrante prendeu a atenção da platéia, que externou satisfação com o tema, pela  importância para o comportamento do cristão na atualidade.
Finalizando o evento,  o pároco, Padre Matias Soares, fez questão de externar a satisfação dele, em  contar com uma presença significante de paroquianos que, com certeza, todos juntos, sem distinção,  seguirão  irmanados na missão evangélica a ser desenvolvida pela paróquia. 

O evento foi realizado nesse sábado, 16 de fevereiro de 2019, no Centro Pastoral.

Imagens: Enviadas por agentes presentes ao evento.

+ mais

Ver as últimas notícias

29/01/2019
Padre Matias participa de Semana de Espiritualidade dos Padres do Prado

O nosso pároco, Padre Matias, está participando da Semana de Espiritualidade dos Padres do Prado, que está acontecendo em Lagoa Seca/PB, no convento dos Franciscanos, no período de 28 a 31 de janeiro de 2019. 
O tema é a “Santidade”, tomando por referência a Exortação do Papa Francisco, sobre “ o chamado à santidade no mundo atual”.


Padres do Prado

A Associação Padres do Prado foi fundada há 158 anos por Antoine Chevrier, sacerdote da Diocese de Lyon (França) beatificado por João Paulo II, a 4 de outubro de 1986, sublinhando o desafio de servir o Evangelho nos mais pobres.


Imagens enviadas por Padre Matias


24/01/2019
Papa Francisco inicia peregrinação no Panamá (JMJ-2019)

O Papa Francisco encontrou autoridades, representantes da sociedade civil e corpo diplomático no final da manhã desta quinta-feira (24/01/19), no Palácio Bolívar, na Cidade do Panamá. Foi o primeiro discurso oficial do dia e também da viagem apostólica do Pontífice ao país.

"Senhor Presidente, Membros da Assembleia Legislativa e do Governo da República, Membros do Corpo Diplomático, Distintas autoridades, Senhoras e Senhores!

Agradeço-lhe, Senhor Presidente, as suas palavras de boas-vindas e o amável convite para visitar esta nação. Na sua pessoa, desejo saudar e agradecer a todo o povo panamense que, de Darién até Chiriqui e Bocas del Toro, fez um esforço incalculável para acolher tantos jovens vindos dos quatro cantos do mundo. Obrigado por nos terdes aberto as portas de casa.

Começo a minha peregrinação neste local histórico, para onde Simón Bolívar – afirmava que, «se o mundo tivesse de escolher a sua capital, para este augusto destino seria assinalado o istmo do Panamá» – convocou os líderes do seu tempo a fim de forjar o sonho da unificação da Pátria Grande. Uma convocação que nos ajuda a compreender que os nossos povos são capazes de criar, forjar e sobretudo sonhar uma pátria grande que saiba e possa acolher, respeitar e abraçar a riqueza multicultural de cada povo e cultura. Na esteira desta inspiração, podemos contemplar o Panamá como uma terra de convocação e de sonho.

1. Terra de convocação

Assim o manifestou o Congresso Anfictiónico e o mesmo manifesta também hoje a chegada de milhares de jovens que trazem consigo o desejo e a vontade de se encontrar e celebrar.

O vosso país, pela sua localização privilegiada, constitui um ponto estratégico não só para a região, mas também para o mundo inteiro. Ponte entre os oceanos e terra natural de encontros, o Panamá (o país mais estreito de todo o continente americano) é símbolo da sustentabilidade que nasce da capacidade de criar vínculos e alianças. Esta capacidade configura o coração do povo panamense.

Cada um de vós ocupa um lugar especial na construção da nação e é chamado a assegurar que a mesma possa cumprir a sua vocação de terra de convocação e de encontros; isto requer decisão, empenho e trabalho diário para que todos os habitantes deste território tenham a oportunidade de se sentir atores do destino próprio, das suas famílias e de toda a nação. É impossível conceber o futuro duma sociedade sem a participação ativa – e não apenas nominal – de cada um dos seus membros, para que a dignidade seja reconhecida e garantida através do acesso a uma instrução de qualidade e à promoção dum trabalho digno. Estas duas realidades juntas são capazes de ajudar a reconhecer e valorizar a genialidade e o dinamismo criativo deste povo, e ao mesmo tempo são o melhor antídoto contra qualquer tipo de tutela que pretenda limitar a liberdade e subjugue ou transcure a dignidade dos cidadãos, especialmente dos mais pobres.

A genialidade desta terra é configurada pela riqueza dos seus povos nativos: Bribri, Buglé, Emberá, Kuna, Nasoteribe, Ngäbe e Waunana, que muito nos têm a dizer e lembrar a partir da sua cultura e visão de mundo: para eles, a minha saudação e o meu reconhecimento. Ser terra de convocação requer celebrar, reconhecer e escutar o que é específico de cada um destes povos e de todos os homens e mulheres que compõem a fisionomia panamense e saber tecer um futuro aberto à esperança, porque só se é capaz de defender o bem comum acima dos interesses de poucos ou ao serviço de poucos, quando existe a firme decisão de partilhar com justiça os próprios bens.

Com a sua alegria e entusiasmo, com a sua liberdade, sensibilidade e capacidade crítica, as novas gerações exigem dos adultos, especialmente de todos aqueles que detêm um papel de liderança na vida pública, que tenham uma conduta conforme à dignidade e autoridade de que estão revestidos e que lhes foi confiada. É um convite a viver com austeridade e transparência, na responsabilidade concreta pelos outros e pelo mundo; uma conduta que demonstre que o serviço público é sinónimo de honestidade e justiça contrapondo-se a qualquer forma de corrupção. Os jovens exigem um empenhamento, em que todos – a começar por quantos se dizem cristãos – tenham a ousadia de construir «uma vida política verdadeiramente humana» (Conc. Ecum. Vat. II, Const. past. Gaudium et spes, 73), que coloque a pessoa no centro como coração de tudo; e isto impele a criar uma cultura de maior transparência entre os governos, o setor privado e toda a população, como recita esta bela oração que fazeis pela pátria: «Dai-nos o pão de cada dia: que o possamos comer na nossa casa e com a saúde digna de seres humanos».

2. Terra de sonhos

Nestes dias, o Panamá será lembrado não apenas como centro da região ou ponto estratégico para o comércio e para o trânsito de pessoas; transformar-se-á numa «confluência» de esperança. Ponto de encontro onde jovens provenientes dos cinco continentes, cheios de sonhos e esperanças, vão celebrar, reunir-se, rezar e reavivar o desejo e o compromisso de criar um mundo mais humano. Assim, desafiarão as visões míopes de curto alcance que, seduzidas pela resignação, a ganância, ou prisioneiras do paradigma tecnocrático, creem que o único caminho possível passa pelo «jogo da competitividade», da especulação «e da lei do mais forte, onde o poderoso engole o mais fraco» (Francisco, Exort. ap. Evangelii gaudium, 53), fechando o futuro a uma nova perspetiva para a humanidade. Ao hospedar os sonhos destes jovens, o Panamá torna-se terra de sonhos que desafia muitas certezas do nosso tempo e cria horizontes vitais que conferem uma nova espessura ao caminhar com uma visão respeitosa e cheia de compaixão para com os outros. Durante este tempo, seremos testemunhas da abertura de novos canais de comunicação e compreensão, de solidariedade, criatividade e ajuda mútua; canais à medida do homem que deem impulso ao compromisso e quebrem o anonimato e o isolamento tendo em vista um novo modo de construir a história.

Sabemos que é possível outro mundo; e os jovens convidam-nos a envolver-nos na sua construção, para que os sonhos não permaneçam algo de efémero ou etéreo, para que deem impulso a um pacto social no qual todos possam ter a oportunidade de sonhar um amanhã: o direito ao futuro também é um direito humano.

Neste horizonte, parecem tomar forma as palavras de Ricardo Miró, quando cantava à sua pátria tão amada, dizendo: «Porque vendo-te, ó pátria, se diria / que te formou a vontade divina / para que sob o sol que te ilumina / se unisse em ti a humanidade inteira» (Patria de mis amores).

Renovo o meu agradecimento por tudo o que fizestes para que este encontro fosse possível e formulo, para Vossa Excelência, Senhor Presidente, para todos vós aqui presentes e quantos nos acompanham pelos meios de comunicação social, venturosos votos de renovada esperança e alegria no serviço do bem comum.

Santa Maria La Antigua abençoe e proteja o Panamá."

Texto extraído do site: www.vaticannews.va/pt


24/01/2019 Arquidiocese de Natal faz campanha solidária para país africano
16/01/2019 Papa: para um cristão rezar é dizer - Abbà - com a confiança de uma criança
05/01/2019 Comunidade paroquial aguarda chegada do novo pároco, Padre Matias Soares
Ver todas

Eventos

31/01/2019Paróquia divulga novos horários de Missas, Confissões e Batizados

Nossa paróquia de Santo Afonso, passará por algumas mudanças de horários nas celebrações de Missas, Confissões e Batizados.
Esses novos horários são necessários para nos adequarmos a disponibilidade do pároco, Padre Matias, recém chegado à paróquia.


Horários ordinários da Santa Missa, Confissões e Batizados na paróquia de Santo Afonso, partir de fevereiro de 2019:

Igreja Matriz de Santo Afonso: 

Missas: Segunda-feira a Sexta-feira, às 19h;  
              Domingo, às 08h e 19h.

Confissões: Toda quinta-feira, das 16h às 17:15h;

Batizados comunitários: Aos Domingos, às 09h, logo após a Santa Missa;


Igreja de Santo Agostinho:

Missas: Terça-feira a Sexta-feira, às 17:30h;  
             Sábado, às 19h; 
             Domingo, às 11h e 17h;

Confissões: Toda quarta-feira, das 16h às 17:15h;

Batizados: Aos sábados, às 09h. 

Observação: Os horários extraordinários serão previamente comunicados. Como estamos fazendo algumas adaptações, caso seja feita alguma outra mudança, avisaremos com antecedência.

+ mais

Ver os últimos eventos

28/01/2019
JMJ-Panamá: Papa: Jovens, vocês são o AGORA de Deus!


Na mesma esplanada que acolheu 600 mil jovens para a festa da Vigília na noite anterior, o Papa celebrou na manhã deste domingo (27/01/19) a missa campal de envio da edição panamenha da Jornada Mundial da Juventude.

Chegando em papamóvel ao Metro Park, Francisco foi recebido pelo Arcebispo de Panamá, Dom José Domingo Ulloa Mendieta, e com ele a bordo, prosseguiu entre os fiéis até a Sacristia do Campo São João Paulo II. Telões foram instalados em pontos estratégicos do campo para uma melhor visibilidade das 600 mil pessoas presentes. Na área destinada às autoridades, estavam os presidentes de 5 países latino-americanos: Costa Rica, Colômbia, Guatemala, El Salvador e Honduras, além do português Marcelo Rebelo de Souza.

Jesus e o ceticismo da comunidade

Em sua homilia, o Papa refletiu sobre ‘o agora de Deus’, tema apresentado no Evangelho de Lucas: 

Era o início da missão pública de Jesus e na sinagoga, circundado por conhecidos e vizinhos, Ele pronuncia publicamente as palavras “Cumpriu-se hoje”, que significavam a presença de Deus, o tempo de Deus que torna justos e oportunos todos os espaços e situações. Em Jesus, começa e faz-se vida o futuro prometido.

Mas nem todos aqueles que lá O ouviram, se sentiam convidados ou convocados; não estavam prontos para acreditar em alguém que conheciam e tinham visto crescer e que os convidava a realizar um sonho há muito aguardado. E o mesmo acontece às vezes também conosco, explicou o Papa:

“Nem sempre acreditamos que Deus possa ser tão concreto no dia-a-dia, tão próximo e real, e menos ainda que Se faça assim presente agindo através de alguém conhecido, como um vizinho, um amigo, um parente”.

Não subestimar, mas assumir

De fato, prosseguiu Francisco, é comum comportarmo-nos como os vizinhos de Nazaré, preferindo um Deus à distância: magnífico, bom, generoso mas distante e que não incomode, porque um Deus próximo no dia-a-dia, amigo e irmão, nos pede para aprendermos proximidade, presença diária e, sobretudo, fraternidade.

Francisco alertou os jovens para o risco de pensar que a vida seja uma promessa que vale só para o futuro, que nada tem a ver com o presente. Como se ser jovem fosse sinônimo de uma ‘sala de espera’ para o futuro, considerando que o seu ‘agora’ ainda não chegou; que são jovens demais para se envolverem no sonho e na construção do amanhã.

Criar um espaço comum e lutar por ele

A este ponto, o Papa recordou o recente Sínodo dos Jovens, celebrado em outubro passado, no Vaticano, destacando como um de seus frutos “a riqueza da escuta entre gerações, do intercâmbio e do valor de reconhecer que precisamos uns dos outros; “que devemos esforçar-nos por promover canais e espaços onde nos comprometamos a sonhar e construir o amanhã, já hoje, unidos, criando um espaço em comum: um espaço que não nos é oferecido como um presente, nem o ganhamos na loteria, mas um espaço pelo qual vocês também devem lutar”.

“Porque vocês, queridos jovens, não são o futuro, mas o agora de Deus.”

“Ele os convoca e os chama, em suas comunidades e cidades, para irem à procura dos avós, dos mais velhos; para se erguerem de pé e, juntamente com eles, tomar a palavra e realizar o sonho com que o Senhor os sonhou. Não amanhã; mas agora!”.

A missão com Deus é a nossa vida

Incitando os jovens a deixar-se apaixonar por Deus, sentindo que possuem uma missão, Francisco concluiu sua homilia lembrando que o Senhor e sua missão não são um ‘entretanto’, uma coisa passageira, mas são ‘as nossas vidas’, e que o amor de Deus é concreto, próximo e real:

“É alegria festiva que nasce da opção de participar na pesca miraculosa da esperança e da caridade, da solidariedade e da fraternidade frente a tantos olhares paralisados e paralisadores por causa dos medos e da exclusão, da especulação e da manipulação”.

Viver o amor concretamente

Assim como Maria, que não Se limitou a acreditar em Deus e nas suas promessas como algo possível, mas acreditou em Deus e teve a coragem de dizer ‘sim’ para participar neste agora do Senhor, devemos viver em concreto o nosso amor:

“Que o seu ‘sim’ continue a ser a porta de entrada para que o Espírito Santo conceda um novo Pentecostes ao mundo e à Igreja” – foram as palavras conclusivas do Papa.

O obrigado do Papa

No final desta celebração, Francisco agradeceu todas as autoridades civis, o arcebispo de Panamá e os bispos do país e das nações vizinhas, por tudo o que fizeram em suas comunidades para dar abrigo e ajuda a tantos jovens. O ‘obrigado’ do Papa se dirigiu também a todas as pessoas que a apoiaram com a a oração e colaboraram com dedicação e trabalho na realização da JMJ e principalmente, a todos os jovens:

“ Sua fé e alegria fizeram vibrar o Panamá, a América e o mundo inteiro ”

O último pedido a todos foi para que regressem às suas paróquias e comunidades, famílias e amigos e transmitam esta experiência, para que outros possam vibrar “com a sua força e o seu sonho”.

JMJ de 2022 será em Lisboa

A expectativa era grande ao final da JMJ-Panamá. O anúncio oficial foi feito ao final da missa conclusiva da Jornada Mundial da Juventude do Panamá, realizada neste domingo (27/01) no Campo São João Paulo II, no Metro Park, na Cidade do Panamá. Lisboa vai sediar a próxima edição da JMJ.

Fonte - vaticannews.va/pt



23/01/2019
Arquidiocese de Natal terá novo canal de comunicação a partir de Fevereiro via WhatsApp

A partir de fevereiro/19, a Arquidiocese de Natal vai dispor de mais um canal de notícias.
Será uma Newsletter (boletim) com notícias da Igreja Católica, especialmente da Arquidiocese, enviado via whatsapp.
Para aderir ao serviço, totalmente gratuito, basta adicionar o número (84) 99675-7772 na agenda do seu celular, e enviar uma mensagem com  seu nome e a palavra “Cadastrar”, pelo whatsap, para este número.
A intenção é colaborar para que os fiéis se mantenham atualizados quanto às notícias da Igreja.
O número (84) 99675-7772 também serve para que as pessoas possam interagir com a Arquidiocese de Natal.

Notícias da Arquidiocese de Natal (Pascom)


07/01/2019 Padre Matias Soares é o quinto pároco da Paróquia de Santo Afonso
31/12/2018 Mons Lucas celebra última missa como pároco de Santo Afonso nesse 30 de dezembro de 2018
25/12/2018 Monsenhor Lucas celebra últimas Missas de Natal como pároco
Ver todos

Horario das missas

Igreja Santo Afonso

Segunda a sexta19h
Domingo8h - 19h

Igreja Santo Agostinho

Terca a sexta17h30
Sabado19h
Domingo11h - 17h

Santos do dia

São Pedro Damião - Doutor da Igreja - 21/02

São Pedro Damião - Doutor da Igreja

São Pedro Damião discerniu sua

ler mais






Paróquia Santo Afonso
Av. Santos Dumont, S/N, Mirassol, Natal-RN afonsinforme@gmail.com
Tel: 84 3615-2855
February 21, 2019, 3:32 pm

kflauber@gmail.com